artigos técnicos


Dicas para Correção de irregularidade na Marcha

- Perda de regularidade: A manutenção da regularidade do andamento está diretamente relacionada com a habilidade do cavaleiro em aplicar os comandos da equitação, principalmente os de rédeas. Trabalhar o animal em terreno plano e regular.

- Pouco rendimento: Para obter aumento do rendimento, ou seja, ampliar o alcance dos deslocamentos, exercitar na marcha (ou trote) alongada, preferencialmente em subidas. O galope lento, cadenciado, também é um bom exercício, em seções diárias de 5 a 10 minutos, intercalando com o trabalho da marcha (ou trote).

- Elevação excessiva dos membros anteriores: Cadenciar o andamento, posicionar rédeas mais baixas, não permitir a elevação excessiva da cabeça, verificar o bom flexionamento da nuca. Evitar o ferrageamento.

- Remar (deslocamento dos cascos para fora): Evitar o trabalho em descidas muito íngremes, cadenciar o andamento no plano, compensar no casqueamento e ferrageamento corretivos. Se o animal estiver muito excitado, este problema será mais evidente. Nas subidas, há uma tendência para reduzir a rotação dos cascos. Evitar o uso de ferraduras. Mas caso sejam necessárias, utilizar as leves, preferencialmente de alumínio.

- Ceifar (cruzar membros anteriores): As mesmas recomendações para o problema de remar.

- Martelar (elevação excessiva e batidas ásperas): Evitar o ferrageamento. Exercitar na marcha (ou trote) alongada, preferencialmente morro acima.

- Basculação de garupa: Exercitar as transições de andamentos, figuras circulares à direita e à esquerda, serpentina, oito, arrancadas no galope alongado, esbarro, recuo. São exercícios que estimulam o aumento da força da impulsão e, consequentemente, a melhora do equilíbrio dinâmico.

- Arrastar pinças de cascos posteriores: Idem as recomendações para o problema de basculação da garupa.

Oscilação de jarretes para dentro: Idem as recomendações para o problema de basculação da garupa.

- Oscilação de jarretes para fora: Idem as recomendações para o problema de basculação da garupa

- Bater palheta: Esta é uma irregularidade difícil de ser corrigida, provocando certo desconforto decorrente de oscilações indesejáveis das espáduas. A longo prazo, um exercício que poderá amenizar o problema é o trabalho rotineiro no galope lento, cadenciado. Outras alternativas são o salto e os volteios entre balizas nas figuras da serpentina. O objetivo é desenvolver mais flexibilidade, suavizando os deslocamentos e proporcionando mais estabilidade às espáduas.

- Cabeça excessivamente alta: As causas podem ser várias: rejeição à embocadura; mal flexionamento da nuca; equitação inadequada; temperamento inquieto, demonstrando vontade permanente de avançar, forçando o cavaleiro a conter as rédeas. A lida com gado é um bom exercício para sanar esta irregularidade.

- Cabeça excessivamente baixa: O cavalo que marcha, ou trota, com o pescoço na horizontal, mantendo a cabeça baixa, tropeçará com mais facilidade, devido à sobrecarga extra de peso sobre os membros superiores, que já suportam em torno de 60% do peso total do animal. É um problema comum em animais linfáticos (de pouco calor, sem temperamento de sela) ou cansados. A solução é desenvolver mais ardência, mais brio e disposição para o trabalho, através do uso de esporas e de exercícios em percursos de provas funcionais, de velocidade e agilidade, tipo Três Tambores e Seis Balizas.

- Encapotar (flexão excessiva da nuca) Um freio severo geralmente desenvolve esta irregularidade. Uma outra causa pode ser o uso precoce e inadequado da gamarra. A solução é voltar ao bridão e equitar com rédeas mais altas. Lembre-se que o bridão exerce ação elevatória sobre a cabeça.

- Ponteiro ( má flexão da nuca): É um problema ocasionado pela má flexão da nuca. Utilizar um freio de ação moderada. Exercitar rotineiramente as transições de andamentos, esbarro, recuo, visando desenvolver uma melhor flexão da nuca. As rédeas devem ser posicionadas mais baixas.

- Cabear (oscilação da cauda): É um problema muito difícil de ser resolvido. As possíveis causas são: temperamento natural inquieto (possivelmente até mesmo uma má índole), algum processo de dor, gerado pela embocadura ou o alguma parte da sela, mal uso das esporas.

- Cambitar (sabugo da cauda tenso): Este também é um problema de difícil recuperação, pois quase sempre é nato, o que significa que o animal já começa a apresentar o problema desde as primeiras montadas.

- Andamento áspero: Várias são as causas que explicam esta irregularidade. A primeira, mais grave, quando for de origem genética. Tecnicamente, já está comprovado que os andamentos excessivamente diagonalizados, especialmente o trote, que apresenta momentos de suspensão dos quatro cascos no ar, necessários às trocas dos apoios diagonais, são naturalmente ásperos. Já as marchas, principalmente a picada e a de centro, são cômodas, devido aos apoios tripedais que intercalam os apoios diagonais e laterais. À medida em que o treinamento progride, e o animal adquire mais flexibilidade na musculatura, a tendência é que o andamento suavize um pouco. O uso de ferraduras nos animais de deslocamentos diagonalizados tende aumentar a aspereza dos apoios. Todo tipo de exercício deve ser feito, para tornar o animal mais maleável, elástico e flexível nos seus deslocamentos - lida com gado, figuras circulares, figuras de oito e serpentina, transições de andamentos, galope e esbarro.

- Infelizmente, cascos mal cuidados, como este da foto, ainda são uma rotina em vários haras. Esta frase antiga - "No foot, no horse", SEM CASCOS, NÃO HÁ CAVALO" -, para lembrar que não se faz um campeão sem uma boa base de sustentação.


Voltar


CURSOS ONLINE
CLICK NO BANNER

Itaporanga-SE
Francisco Garcez
(Tito) - (79) 9977 8000

Carvalhos-Sul de Minas
Prop. Fernando Pizza -
(35) 3345 1552
Haras Boa Luz Seleção Mangalarga Marchador Marcha Picada pelagens pampa de preta e preta