CAVALO REUNIDO - O QUE SIGNIFICA?


Poucos treinadores das raças de cavalos de marcha preocupam-se com a palavra reunião, que não pode ser confundida com apoio ou um simples contato de rédeas. Além do mais, a reunião não se limita aos comandos de rédeas, mas á uma ação integrada entre comandos de rédeas, pernas e assento.

Nos julgamentos de Concursos de Marcha das duas principais raças de cavalos de marcha – Mangalarga Marchador e Campolina, notam-se situações opostas. Na primeira, o que prevalece é a condução das montarias com rédeas apoiadas, trazendo desconforto à boca do cavalo e às mãos do cavaleiro, além da má postura da cabeça, pois geralmente um cavalo conduzido com apoio nas rédeas estará com o focinho adiantado. Este tipo de condução não é apropriada ao bom desempenho da M.T.A.D. - Marcha de Tríplices Apoios Definidos, pois provoca desequilíbrio e irregularidades freqüentes nos tempos de distribuição de apoios diagonais e laterais. Ao contrário, na marcha excessivamente diagonalizada, como é prevalente nos julgamentos da raça Mangalarga Marchador, a condução da montaria com rédeas apoiadas possibilita uma maior velocidade e amplitude de passadas sem perder a regularidade. Entretanto, o cavalo não estará adequadamente reunido, devido à deficiência de flexionamento entre pescoço e tronco, o que é facilmente constatado nos volteios e círculos à direita e à esquerda.

Devido à prevalência deste tipo de condução do cavalo Mangalarga Marchador nos Concursos de Marcha, vamos discutir um pouco mais esta falha da equitação. A explicação para as vantagens anteriormente citadas está na própria mecânica da locomoção, pois a diagonalidade extrema favorece a distribuição continuamente equilibrada do peso, sobre bipedes diagonais alternados. O centro de gravidade da massa corpórea do cavalo oscila verticalmente após cada contato quase que simultaneo dos bipedes diagonais e o cavaleiro sente fortes atritos verticais, os quais não combinam com a qualidade maior do cavalo marchador, que é a COMODIDADE. Os cavaleiros que afirmam sentir comodidade em andamentos diagonalizados estão enganando a si mesmos, porque é impossivel não sentir desconforto neste tipo de andamento, e também tentam enganar a maior parte dos usuários. Escrevi “tentam”, porque não conseguem. A maioria dos usuários não têm a habilidade de equitadores e não são capazes de se equilibrarem na sela setindo atritos verticais. A primeira reação é apoiar na rédea e no cepilho. A segunda reação é parar o cavalo e desmontar.

Quanto à condução do cavalo Campolina em Concursos de Marcha, o que se nota com freqüência é a condução do tipo contato de rédeas, o que favorece a postura inadequada da cabeça e a deficiência de energia e impulsão dos deslocamentos.  

A condução através do contato de rédeas é indicada para o passo médio e a marcha curta, ambos andamentos utilizados nos passeios, pois relaxam a montaria, sendo que o andamento que mais relaxa é o passo livre, conduzido com rédeas totalmente liberadas de tensão. Ao contrário, para a condução correta ao passo reunido, passo alongado e marcha de velocidade média a alongada, a reunião é indicada, o que implica no assento fundo, estimulando a força da impulsão, a pressão de pernas e o aumento da tensão das rédeas. Esta ação integrada de comandos força a flexão da nuca e das articulações de joelhos, jarretes e boletos. Os deslocamentos tendem a ser mais “rolados”, típicos dos andamentos marchados, e o cavalo estará posto na mão do cavaleiro e, conseqüentemente, preparado para responder com eficiência aos mais discretos comandos da equitação.

O cavalo corretamente flexionado, quando adequadamente reunido pela ação integrada dos comandos principais da equitação, executa círculos formando a figura de um arco, cujas extremidades são o focinho e a cauda. Um bom teste é marcar com cal a linha demarcatória do circulo, entre 3 a 5 metros de diâmetro, dependendo do grau de condicionamento da flexão lateral. Ao passo e na marcha a linha demarcada estará entre os rastros deixados pelos cascos anteriores e posteriores. Ao contrário, o que se nota comumente é a manutenção da garupa para fora do circulo. Ressalva: a pressão da perna do cavaleiro, do lado de fora do circulo, pode reduzir o desvio da garupa.

A reunião correta favorece todos os parâmetros de avaliação qualitativa da marcha, ou seja, a comodidade, a boa dissociação, o estilo, a regularidade e a boa progressão. Os sinais indicativos do cavalo plenamente reunido são: pescoço arqueado, região lombar mais elevada, devido à força da contração; garupa mais inclinada e arredondada;  angulação mais fechada dos jarretes devido ao aumento da flexão; canelas posteriores deslocando sob a massa corpórea, em um grau máximo de engajamento dos posteriores no desempenho da marcha. A reunião pode ser mais ou menos facilitada de acordo com a modalidade de andamento. Mas este será tema para um segundo artigo.

Lúcio Sérgio de Andrade – Zootecnista, escritor com 30 livros publicados, produtor de dvd’s técnico-educativos, com uma coleção de 10 titulos para a raça Mangalarga Marchador, e outros 50 titulos. Pedidos através da Loja Virtual do Cavalo de Marcha no site www.equicenterpublicacoes.com.br, que também oferece embocaduras e equipamento da doma especializada para cavalos de MTAD – Marcha de Tríplices Apoios Definidos.


CURSOS ONLINE
CLICK NO BANNER

Itaporanga-SE
Francisco Garcez
(Tito) - (79) 9977 8000

Carvalhos-Sul de Minas
Prop. Fernando Pizza -
(35) 3345 1552
Haras Boa Luz Seleção Mangalarga Marchador Marcha Picada pelagens pampa de preta e preta